segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Harmonizando em alto-mar

Depois de passarmos a tarde toda no "El Palenque", comendo e bebendo, voltamos ao nosso navio. Eu mal podia pensar em comida, mas às 20h já estava eu lá, no restaurante...

A comida no navio é muito boa e variada, isso não se pode negar. De manhã tem um belo buffet de café da manhã em dois restaurantes. Frutas, bolos, pães, cereal, panqueca, bacon, ovo, linguiça e tudo que é digno de um café da manhã multicultural. O almoço também é no esquema "self-service" e tem uma variedade bem legal com carne, frango, peixe, massas, saladas e uns acompanhamentos bem gostosos, além das sobremesas.

Entre o café da manhã e o almoço, e entre o almoço e o jantar, tem um lanche muito bem servido de pizzas, sanduíches e outros quitutes práticos e saborosos. Eu não fotografei nenhuma dessas refeições. Registrei somente as delícias do jantar.

O jantar é a única refeição à la carte do navio, servido num restaurante elegantíssimo. Todos os dias você senta na mesma mesa e é atendido pelos mesmos garçons, ao longo da viagem. O mais bacana disso é que criamos uma amizade com essas pessoas que, ao final de sete dias, fica até difícil dizer adeus a elas!

Todos os dias o couvert é servido com uns 3 tipos de pães diferentes. O menu apresenta cerca de 5 opções de entrada, 5 de prato principal e mais umas 7 de sobremesa. Todos os dias tem uma opção vegetariana sinalizada no cardápio e uma sobremesa sem açúcar. Ou seja, dá para manter a linha durante todas as refeições...

Segue algumas fotinhos das comidas saborosas dos nossos jantares:

Ah, ceviche, que saudades de você!

Salmão com aceto balsâmico
Vitelo com purê de ervilhas. Sensacional!!

Tiramisú delicioso!

Oi, Cheesecake!!
As bebidas também estavam incluídas. O cardápio de drinks era bastante extenso, com bebidas para todos os gostos. Em relação aos vinhos incluídos, tínhamos uma cava brut e uma demi-sec, um vinho branco, um vinho tinto e um vinho do porto.

Existe uma carta de vinhos (com preços a serem cobrados à parte), com bastante variedade e preços bem honestos. Para se ter um ideia, um champagne Moët & Chandon custava 65 dólares. Se formos pensar nos preços que são praticados nos empórios e restaurantes brasileiros, isso é uma verdadeira pechincha.

Eu não tenho foto de nada que bebi... Estava tão relax que eu sempre adiava o lado blogueira: "Depois eu fotografo!!" ou então, "Amanhã eu tiro a foto!". E esse amanhã chegou tão rápido que não fotografei nenhum rótulo.

A cava era a Jaume Serra Brut. Com perlage fina, me surpreendeu nos aromas: maçã, pêssego e um toque de lima, além de frutas secas e baunilha. Na boca, mostrou-se fresco com um toque adocicado no final e uma acidez incrível, que combinava demais com todo o mar azul que nos cercava...


O vinho branco e o tinto também eram espanhóis. Ambos eram Don Luciano. O branco, Chardonnay, mostrava frescor e vivacidade. Notas de frutas cítricas e hortelã eram facilmente identificadas. Tanto que esse vinho me acompanhou na maior parte da viagem... Simples e bem feito! O tinto era um Cabernet Sauvignon, com muito aroma de fruta vermelha e pimentão. Na boca estava bem equilibrado! Outro rótulo simples e bem feitinho...

2 comentários:

  1. Olá,
    Gostei bastante do seu blog! Meu nome é Alexandre, sou redator e fotógrafo do Selo Reserva, novo site voltado para o mercado de enogastronomia. Estamos nos preparando para lançar a versão Beta e acredito que você gostará do conceito. Neste primeiro momento disponibilizamos uma página virtual de apresentação:
    http://www.seloreserva.com.br/

    Se puder, não deixe de acompanhar nossas atualizações na rede social – facebook.com/seloreserva

    Vamos manter contatos,
    Att.
    Alexandre Sobral R. Horta
    Alexandre.horta@seloreserva.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá Alexandre;
    Obrigada pela visita! Entrei no site do Selo Reserva e fiquei muitíssimo curiosa para acompanhar! Porém estou com uma dúvida: Não consegui me cadastrar no site. Como podemos fazer isso?
    Beijo
    Evelyn

    ResponderExcluir