quarta-feira, 16 de abril de 2014

Encontro de Vinhos em SP está chegando!

Pronto para mais uma edição do Encontro de Vinhos OFF?


O evento, que traz sempre grandes novidades, será realizado em São Paulo, um dia antes do ExpoVinis. Inúmeros importadores, produtores brasileiros e de diversas partes do mundo, já confirmaram presença. 

Mais uma vez o Encontro de Vinhos OFF será na Casa da Fazenda do Morumbi. Os visitantes poderão provar centenas de vinhos em um ambiente climatizado e preparado para a degustação. A novidade deste ano fica por conta da Argentina, que terá um espaço tematizado para degustar os vinhos ao som de músicas regionais e harmonizando com as famosas empanadas.

Quer experiência melhor do que essa? Então, anote aí:

Encontro de Vinhos OFF 2014
Local: Casa da Fazenda Morumbi – www.casadafazenda.com.br
Data: 21 de abril de 2014
Horário: das 14h as 22h
Convites: R$ 60,00 – na hora ou através de página de venda de ingressos, aqui

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Malbec Making Noise

Na noite de terça-feira (8) aconteceu o lançamento das comemorações do Malbec World Day, no Chez Oscar, aqui em São Paulo.


O evento faz parte do movimento "Malbec Making Noise", promovida pela Wines of Argentina, para a comemoração do Malbec Day, no próximo dia 17.

O lançamento foi bem diferente do que estamos acostumados a ver quando o assunto é vinho: Em quatro andares foi possível passear por diversas ilhas temáticas de degustação - vinhos brancos, vinhos rosés, malbec de médio corpo, malbec encorpados e blends com malbec - que compunham um cenário de descontração.

Déco Rossi, idealizador do evento e representante da Wines of Argentina no Brasil afirmou que a intenção foi justamente a de criar um ambiente informal, para desmistificar o vinho, promovê-lo e compartilha-lo nas mais diversas situações.

Em clima festa, provei alguns vinhos deliciosos, mas minha descoberta da noite foi o Dadá 2012, da Bodega Finca Las Moras.


Um blend de Malbec e de outra uva que faz sucesso em solo argentino, a Bonarda. 

No nariz, muita baunilha e frutas vermelhas maduras. Na boca mostrou médio corpo e uma persistência deliciosa. Vinho que tem tudo a ver com a proposta do evento. Para quem não sabe, o movimento Dadá se consagrou por defender um pensamento libertador, que rompe esquemas, que transgride padrões...

Que tal enxergarmos o vinho como algo libertador? Chega de padrões! Vamos tirar a gravata do vinho!  


segunda-feira, 7 de abril de 2014

Axis Mundi 2002 #cbe

O Luiz Cola, do blog Vinhos e mais vinhos, foi o responsável por indicar o tema deste mês para a CBE - Confraria Brasileira de Enoblogs: "Vinhos evoluídos! Degustando da safra 2004 pra trás, ou seja, vinhos com pelo menos 10 anos de idade".

Era o empurrãozinho que eu precisava para abrir o Axis Mundi 2002, que trouxe de uma viagem ao Uruguai. 


Axis Mundi é o vinho top da vinícola Pisano: um super tannat, elaborado 100% com uvas de vinhas velhas. E o vinho impõe respeito, viu! Extremamente complexo no nariz, com notas de frutas vermelhas e negras, além de notas de tabaco e couro. Na boca mostrou muita estrutura, elevada persistência e taninos macios. Daqueles que enchem a boca e te fazem refletir a vida!

Apesar do vinho já ter 12 anos na garrafa, mostrou que ainda aguenta mais descansando. Quero ver se compro outra garrafa para abri-lo daqui uns três anos! A Mistral o traz para o Brasil, mas se eu fosse você iria até Montevideo, conhecer aquela cidade encantadora e traria o Axis Mundi na mala!

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Mais um vinho de supermercado!

Como você já sabe, eu e Jane Prado, do Château de Jane, publicaremos, na primeira quarta-feira do mês, um vinho comprado no supermercado com o preço máximo de R$30,00. Nossa intenção? Promover e difundir o vinho. Mostrar que existem boas opções com preços acessíveis e que podem ser compradas, sim, no supermercado.

O nosso primeiro post (sucesso em acessos) você pode ler aqui.

O vinho de hoje é um português do Alentejo, o S de Sol 2012.


Comprado no supermercado Pão de Açúcar, na loja do bairro do Tatuapé por R$27,00, esse vinho mostrou-se bem gastronômico, daqueles que imploram para que você o compartilhe com comida. No nariz apresentou aroma marcante de camomila. Na boca mostrou cremosidade, acidez discreta, média persistência e um final marcado por álcool que o desequilibrava um pouquinho.

Quer saber a opinião de Jane Prado sobre esse vinho? Clique aqui.

segunda-feira, 24 de março de 2014

Guia do vinho Brasil às Cegas 2014

Chegou o Guia Brasil às Cegas!

Foto de Jane Prado, do Château de Jane

Beto Duarte, Cristiano Orlandi, Maurício Tagliari e Rogério de Campos são os responsáveis por esse guia que traz mais de 800 vinhos listados: são dicas e sugestões de vinhos para todos os gostos e bolsos!

Esse é o primeiro guia às cegas lançado no mercado. Normalmente esses livros tem um autor-degustador ou alguma revista que organiza a avaliação dos vinhos. No caso deste, os avaliadores foram convidados a participar das degustações sem nenhum tipo de informação prévia. Agendava-se e lá estavam os degustadores a avaliar uma média de 25 vinhos por sessão. 


Sinto-me honrada por ter participado de diversas degustações para esse guia que está sensacional! Além de aprender muito, fiz amigos que ficarão para a vida inteira.

A distribuição nas editoras ainda não começou, mas você já pode adquirir seu exemplar pelo e-mail: brasilascegas@hotmail.com ou comprar aqui.

Assim que chegar às livrarias, atualizarei aqui.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Cuidado com os “Anton Ego” por aí - Por Alexandre Mathias

Um dia desses tive a oportunidade de rever uma animação que gosto muito, o filme Ratatouille

Para aqueles que ainda não assistiram, o desenho conta a historia de Remy, um ratinho simpático que adora cozinhar e ajuda um atrapalhado rapaz a comandar a cozinha de um restaurante em Paris.

Assistindo à animação, percebi que um dos personagens me chamou mais atenção desta vez: o critico culinário Anton Ego: um homem amargo, esnobe e extremamente egocêntrico. Alguém que acredita que sua opinião vale mais que as de outras pessoas e menospreza qualquer um que não compartilhe de seu ponto de vista.


Mas você deve estar se perguntando, afinal, o que isso tem haver com vinhos? Para começar, quem nunca encontrou um “Anton Ego” em alguma degustação de vinhos? Ou mesmo em um jantar? 

Aquela pessoa que acha que vinho é coisa de elite e/ ou então, que olha com desdém para qualquer um que ela acha que não pode aproveitar a beleza desta bebida como ela. Gostam de exibir seus conhecimentos, mesmo que ninguém tenha perguntado. Às vezes, você encontra até aqueles que não entendem nada, mas adoram mostrar que entendem. São pessoas que ficam indignadas quando são contrariadas ou ignoradas, e que acham que todos tem que adorar o que dizem.

Espero sinceramente que, assim como o personagem do filme, nossos “Anton Ego” por aí percebam, no final, a alegria de desfrutar o momento com um vinho simples, mas muito bem feito. Lembrar com um sorriso no rosto e redescobrir aquela sensação maravilhosa que teve no começo de suas degustações, onde todos os vinhos traziam adoráveis surpresas, inclusive com os mais baratos.

Pensem o quanto essas pessoas poderiam contribuir para a divulgação do vinho caso decidissem descer de seus pedestais, no qual eles mesmo se colocaram, e disseminassem seu conhecimento com os iniciantes?

Boa dica, não!?


terça-feira, 18 de março de 2014

Vinho e Rio de Janeiro: harmonização perfeita!

Alguns vinhos ficam mais agradáveis quando bebidos em ocasiões e/ou lugares específicos afinal, quem nunca degustou um vinho em uma determinada situação e ele pareceu ser sensacional? De repente, algum tempo depois, você decide abrir o mesmo vinho e ele se mostra tão sem graça... O inverso também acontece - às vezes um vinho sem graça, quando tomado em uma situação diferente, se mostra grandioso e inesquecível! Por que será que isso acontece?

Acredito que muitas vezes o ambiente influencia em nossa percepção subjetiva do vinho. Vale lembrar que estou falando de uma situação de descontração. Um avaliador de vinhos precisa (e deve) manter seu olhar objetivo, para analisar de modo mais crítico possível.

O Encontro de Vinhos no Rio de Janeiro, que aconteceu na última quinta-feira, me fez pensar que qualquer vinho deve ficar incrivelmente bom diante daquelas paisagens naturais. Imaginei um vinho para ser bebido no entardecer na Pedra do Arpoador, ou no amanhecer da Lagoa, ou a qualquer instante em qualquer lugar da orla carioca e percebi que (com o olhar subjetivo) qualquer vinho mediano se tornará grande diante de tal espetáculo.