terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Angélica Zapata 2006 merece ficar na adega

Há alguns dias a temperatura aqui em São Paulo nos trouxe à memória as boas tardes de outono - nublado, garoa e um vento bem geladinho - que, para mim, funciona como uma doce alegria.

Com as temperaturas em baixa, deu para abrir um vinho tinto mais encorpado. O escolhido foi o Angelica Zapata Malbec 2006.


Nunca havia visto um vinho tão escuro. Lembrei-me de José de Alencar, em Iracema... "Negro como a asa da graúna". Para um vinho 2006, ele sequer esboçou uma coloração atijolada. Sua cor era de casca de jabuticaba. 

No nariz apresentou notas de frutas em compota, pimenta, baunilha, um toque herbáceo e um pouquinho de álcool sobrando, mas na boca estava bem equilibrado, com taninos elegantes, mas bem marcados. Acidez muito boa, já que eu sempre acho que falta acidez em malbec

Ainda dá para guardar alguns anos. Aliás, ele estará melhor se você deixar sua garrafa dormindo mais um pouco no escurinho da adega. Pena eu não ter outra garrafa para fazer um teste daqui uns dois anos ou três anos.

Harmonizei com um risotto de filet mignon com palmito. Combinou super bem!

6 comentários:

  1. sim, um vinho bem interessante. deixar decantando por uns 40 minutos, alivia bastante o álcool.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita, Dedé!
      Você tem razão: o decanter ajuda e muito!
      Beijo

      Excluir
  2. Essa é a minha professora de literatura preferida!!!
    :)

    ResponderExcluir
  3. Evelyn,

    Seguro que este vinho demore tranquilo mais 3 anos para ficar no auge. A safra de 2006 na Argentina foi excepcional e se tratando de um Catena Zapata não duvide.

    Mais usa vez parabéns pelo post!

    Evandro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Evandro! Pois é, preciso encontrar outra garrafa! Beijo

      Excluir